segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Clube da Luta, Paraíso, Spoilers e moralidade ou também "YOU CAN CRY"


Hoje fiquei feliz ao usar a ferramenta "estatísticas" do blogger.
Descobri que tenho visitas internacionais, e eu não conheço ninguém fora do país XD
Até pensei em entrar na budegs de AdSense, talvez valha a pena \o/
Quem sabe juntando verba de AdSense eu compre um carro um dia e leve a Shirley Manson pra Santos.
Hoje é meu segundo dia sem ingerir animais \o/
Mas isso não tem nada a ver no momento.
Nem sei porque to postando hoje o.o
Quinta eu estava andando com o Andarilho e ao chegar no terminal central nos deparamos com um senhor berrando em nome do "senhor".
Imediatamente lembrei do Zangief .
Gritar na rua não atrai pessoas para a religião, na verdade afasta, igual aos relacionamentos.
Acho que Dalai Lama tava parcialmente certo quando disse que a melhor religião é aquela que o homem se sente bem.
Ultimamente tenho criticado religião para caralho nesse blog, mas não custa falar mais.
Considerando que um fiel bem fiel mesmo faz as "boas ações" pensando em não ir pro inferno, mas não quer dizer que seja algo que ele quer fazer.
É igual a uma relação de trabalho.
O trabalhador não vende seu trabalho por achar que alguém vai precisar por exemplo de um relatório sobre índice de venda de camisinhas no dia do sexo. Ele vende o trabalho porque quer ganhar dinheiro com isso.
Relação sincera seria fazer as coisas boas porque realmente quer, independentemente da crença religiosa e chegar no além (caso haja um) e se dar bem.
Mas uma caralhada de religiões crê que são os únicos com direito a um lugar melhor.
Traduzindo, o além é só uma interpretação da vida real.
Onde os pré-indicados e puxa sacos se dão bem e os que discordam continuam tomando no cu.
Já dizia eu mesmo, a vida é um eterno troca-troca, primeiro você toma no cu, aí depois que cansam de te foder, chega tua vez de foder alguém. Mas quando você cansa de foder, vem outro e te come.


Acho que to reclamando demais essa semana, provavelmente é o tédio.
Zéu Britto tem salvado meus dias.
Esse filho da mãe é um filósofo popular contemporâneo.
Fica a recomendação do dia.

Não lembro se já falei de Clube da Luta por aqui, mas em todo caso, falarei a respeito.
Imaginem um sujeito comum, que trabalha num cubículo, que faz seus relatórios, pensa nas contas a pagar, vive numa sociedade consumista e que acima de tudo tem que conviver com o stress.
Tamanho stress gerou uma insônia e o rapaz de meia idade já não dormia a 6 meses.
Ao procurar um médico alegando ter problemas e que sofre a única resposta que tem é "Você acha que sofre? Visite o grupo de apoio a vítimas de câncer nos testículos às terças-feiras e verá o que é sofrimento."
Nisso ele visita o grupo e descobre que consegue ficar bem com o sofrimento alheio.
E pior, que ele começa a conseguir dormir sabendo que tem gente pior que ele.
Até que ele conhece gente que começa a mudar sua vida:
-Marla Singer- uma garota que passa pelos mesmos problemas mas que vem de uma realidade social diferente.
-Tyler Durden- um passageiro qualquer de avião que puxou assuntos que despertaram interesse do protagonista e acabou virando seu melhor amigo em menos de 24 horas, logo após Jack (nome pelo qual o protagonista se auto-intitula) perder seu apartamento.

Clube da Luta é um filme foda que a cada vez que você assiste acaba chegando a uma conclusão diferente.
Altamente recomendado.

Momento Spoiler, se você já viu o filme, leia, se não, vá tomar no cu e crie vergonha na cara de assistir o filme.

-Tyler é um fruto da mente de Jack, criado por causa do stress e do meu ponto de vista, a personalidade oprimida pela moralidade imposta pela sociedade e pelo próprio Jack.

-A morte de Bob simboliza que enquanto ele era parte da sociedade, pagava suas contas, pagava pensão para a ex-mulher e trabalhava, era só um número e quando morre vira alguém, ganha um nome.

-Todos temos nosso "Tyler" interior que algumas vezes deixamos transparecer. Já sou adepto de que deveriamos ser o próprio Tyler e deixar o cuzão exterior no resguardo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário